Quase ninguém sabe das vezes que silenciei quando minha vontade era gritar, rasgar o verbo, machucar. Ninguém percebe, mas de vez em quando eu relevo uns comentários, finjo que não vi, que não ouvi. Tento agradar, mas a maioria só vê a parte ruim. Quero mostrar a parte bela, mas só querem apontar minhas cicatrizes, abrindo-as mais, mais e mais. Não vivo nessa de querer agradar a todos, só tenho um medo absurdo de ferir alguém. Eu sei como dói.

A menina e o violão   (via capacitadora)

Que todo roubo seja de beijo. Que toda guerra seja de travesseiro. Que todo aperto seja de abraço. Que todo choro seja de alegria. Que toda perda seja dos medos. Que toda explosão seja de amor. Que para toda bolacha exista um recheio. Que para toda cama exista um colchão. Que para todo rio existam os peixes. Que para todo céu brilhem estrelas. Que todo amante encontre o seu amado. Que para toda felicidade exista os sorrisos. Que para todo eu exista um você.

Júlia   (via resolto)

Tive vontade de parar o tempo ontem enquanto você olhava nos meus olhos.

Phe (via potencialidades)

Se você ainda não desistiu é porque, de alguma forma, você ainda quer acreditar.

Renato Russo. (via adesejar)
C    issuras